A intolerância ao glúten: vacina para a doença celíaca está em fase de testes – Imã de geladeira e Gráfica Mavicle-Promo

Por enquanto, a única forma de tratamento é a dieta sem glúten duradoura

A indústria farmacêutica norte-americana ImmusanT anunciou que está iniciando a fase 2 de testes para a criação de uma vacina para a doença celíaca. “Atualmente, não existem terapias modificadoras da doença para esta condição, e a única solução para os pacientes é a adesão rígida a uma dieta por toda a vida e sem glúten. Nossa esperança é que, ao ajudar a restaurar a tolerância imunológica ao glúten, o Nexvax2 melhorar a qualidade de vida e ajudar a prevenir as graves complicações da exposição crónica ao glúten em pacientes com doença celíaca. O desenvolvimento do Nexvax2 alinha-se com a nossa visão estratégica de transformar a forma como os pacientes com doenças auto-imunes são tratados”, disse o diretor executivo da ImmusanT, Leslie Williams.

É administrada como uma injeção subcutânea, o Nexvax2 realizou vários ensaios clínicos de Fase 1b, que forneceram dados que dão suporte à segurança e tolerabilidade, bem como à prova de motor e eficiência. “Mediante o uso de um novo painel de marcadores imunológicos associados à doença celíaca, identificado nos primeiros estudos clínicos, podemos seguir tanto os sintomas agudos quanto à resposta inflamatória subjacente, após a exposição ao glúten. Isso ajuda a monitorar a eficiência do Nexvax2 na modificação do processo de doença. Temos grandes esperanças de que a imunomodulação com Nexvax2 possa ajudar a maioria dos pacientes celíacos a viver sem medo da exposição involuntária ao glúten e problemas de saúde associados”, projeta o diretor médico da ImmusanT, Ken Truitt. A Fase 2 do ensaio pretende inscrever-se em torno de 150 pacientes nos Estados Unidos, a Austrália e a Nova Zelândia.

Entenda a doença celíaca

A doença celíaca é uma patologia inflamatória crônica do intestino, mediada por células T, causada por uma reação auto-imune às proteínas do glúten da dieta em indivíduos geneticamente suscetíveis. Quando uma pessoa com doença celíaca consome proteínas do glúten no trigo, centeio e cevada, o sistema imunológico do indivíduo responde de forma incorreta, causando a ativação imunológica e sintomas digestivos agudos. Em última instância, esta reação à contínua exposição ao glúten provoca uma inflamação crônica do intestino delgado e compromete-se a sua capacidade de absorver nutrientes no corpo.

A doença celíaca está se tornando cada vez mais frequente, e estima-se que, atualmente, atinge entre 2 e 3 milhões de americanos e 1% da população mundial. Com um crescente número de pacientes diagnosticados, há uma crescente necessidade de tratamentos melhorados. A única intervenção actualmente disponível, é uma dieta sem glúten duradoura (GFD). Enquanto que a GFD reduz a inflamação intestinal, mesmo pequenas quantidades de glúten ainda podem desencadear uma reação imunológica com sintomas que podem ser mais pronunciados do que antes da GFD. A doença também impõe uma carga significativa, afetando a qualidade de vida e pode ser difícil de seguir, já que mesmo em quantidades mínimas podem desencadear uma reação imunológica.

Fonte: Guia da Farmácia
Foto: Shutterstock

OMS-lista das 10 principais ameaças para a saúde mundial em 2019

Compartilhar:

Fonte: guiadafarmacia.com.br/vacina-para-doença celíaca

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *